A Unijuí está próxima de concluir o Complexo de Ciências da Saúde – uma obra orçada em quase R$ 5 milhões, que vai atender às demandas dos cursos da área da saúde e, especialmente, da Medicina. De acordo com o gerente da Coordenadoria Patrimonial e de Serviços, Jeferson Dalla Rosa, a obra está na fase de ajustes finais e a expectativa é de que o prédio seja entregue em 30 dias. “Faltam apenas alguns detalhes, como a identificação das salas, conclusão das ligações de energia e rede lógica. Inclusive já recebemos boa parte do mobiliário”, reforçou.

Contando com área de 1998,00m², o espaço terá um conjunto de laboratórios e salas. A maioria dos equipamentos que estarão à disposição no Complexo já foram adquiridos, a exemplo dos simuladores, que já estão sendo utilizados em algumas disciplinas.

Conforme explica o coordenador da Medicina, professor Jorge Brust, o Complexo visa reunir várias atividades do Curso. “Teremos duas partes: uma, no andar superior, com salas para tutorias, onde os alunos, divididos em grupos, recebem casos clínicos e partem para a pesquisa e solução, usando metodologias ativas de ensino e aprendizagem, onde o estudante é o agente de pesquisa e estudo. Eles levarão uma solução para reunião em grupo, sendo acompanhados pelo tutor, um profissional médico com formação específica para este tipo de metodologia”, detalha o coordenador.

Além deste espaço, o andar superior contará com salas para aulas, eventos científicos e conferências, e espaços de convivência e estudo para alunos e professores. A parte térrea, de acordo com Brust, se constitui de uma área específica para laboratório de simulação e treinamento de habilidades. Espaço amplo, com salas para simulação de consultas e prática de exame físico, com manequins e modelos anatômicos de ponta, que permitem o aprendizado com simulação realística da normalidade e as diversas alterações no corpo humano, que ocorrem em doenças. 

“É um grande investimento e uma grande e diferenciada área, que contará com professores e técnicos treinados especificamente para este ensino, cada vez mais presente em todas as grandes faculdades de Medicina do mundo. Atualmente, um curso de Medicina exige estas condições de excelência no processo de ensino e aprendizagem, o que já estamos oferecendo”, afirmou o coordenador.

Diferenciais da obra

Como a obra conta com licenciamento da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), qualquer alteração precisou ser aprovada, tendo como preceito o menor impacto possível. Segundo Dalla Rosa, para início da construção, foram necessários transplantes e compensações da vegetação. Durante a obra também foram desenvolvidas ações de separação e reciclagem de resíduos. 

“Além disso, a obra possui sistema de reuso de água da chuva, iluminação em LED e, em breve, será instalado o sistema de geração de energia solar”, comentou o gerente, lembrando que também foram escolhidos materiais e acabamentos que facilitem manutenções futuras, sem gerar custos elevados.