Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini


Tradicionalmente realizada uma vez por ano no Galpão Crioulo do Palácio Piratini, a apresentação do Relatório Social 2020 da Associação das Emissoras de Rádio e Televisão do Rio Grande do Sul (Agert) ocorreu em formato virtual, devido às restrições impostas pela pandemia de coronavírus. Com participação do governador Eduardo Leite e da chefe da Polícia Civil, Nadine Anflor, o evento ocorreu na manhã desta quinta-feira (26/11) e foi transmitido pelas redes sociais da associação.

"A Agert cumpre uma função social relevante na própria atividade fim, de informar e integrar nossa sociedade, e assim também fortalecer nossa identidade regional e nossa cultura. São esses veículos de comunicação que levam nossas mensagens de governo, e que bom que temos meios comprometidos em fazer isso,” destacou o governador.

O tema da 17ª edição do relatório é “A violência contra a mulher e o papel da mídia no combate ao feminicídio.” O material conta com entrevistas e reportagens exclusivas com especialistas na área.

“A partir desse relatório social, é possível alinhar os esforços de todas as emissoras em uma grande rede de colaboração em torno da uma pauta de interesse comum, pauta essa que, da violência contra as mulheres, que está muito presente. Isso não se muda com lei ou decreto, é efetivamente o trabalho engajado da sociedade, colocando luz sobre esses assuntos, para que haja essa mudança cultural, a compreensão da igualdade de gênero e a indignação coletiva sobre os atos de violência praticados", ponderou Leite.

Neste ano, foram doados R$ 144.649.176,26 por 225 emissoras participantes para a veiculação de ações de cunho social – campanhas de saúde, vacinação, doação de agasalhos, doação de sangue, combate à violência doméstica e feminicídio, combate à violência no trânsito e combate às drogas, entre outros temas. A Agert abrange 307 emissoras em nove regiões do Estado.

“Com seu alcance e sua competência, as emissoras gaúchas de rádio e TV têm uma importante contribuição a dar para o enfrentamento desse mal, que afeta a todos e que evidencia o quanto ainda temos a evoluir como sociedade. E o momento pelo qual passamos traz mais desafios para esse quadro. Em tempos de pandemia do novo coronavírus, o problema da violência contra a mulher vem merecendo atenção redobrada por parte das autoridades”, destacou a vice-presidente da Agert, Myrna Proença, no documento.

O tema do relatório coincide com os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher, campanha de conscientização por respeito e igualdade, bem como para prevenção e combate a abusos e agressões ao público feminino. A campanha é promovida pelo Comitê Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, que reúne, além da Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH) e da Secretaria da Segurança Pública, diversos órgãos.

Também participaram do lançamento o vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, a chefe de Polícia do Rio Grande do Sul, Nadine Anflor, o presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Flávio Lara Resende, e o doutor em Psiquiatria e psiquiatra da Santa Casa de Porto Alegre Nélio Tombini.