Caminhoneiros autônomos de todo o País marcaram uma nova assembleia, sem ainda data definida, para tentar angariar apoio e definir as pautas de uma nova greve nacional que vem sendo articulada pela categoria para o dia 1º de fevereiro.

Na reunião online que ocorreu ontem a noite (13) com cerca de 50 lideranças dos caminhoneiros, foi discutida uma pauta que vai desde manifestações contra o projeto BR do Mar (que incentiva a navegação pela costa brasileira) ao piso mínimo do frete e reclamações contra a política de preços de combustíveis.

O Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) manteve a convocação para a greve em 1º de fevereiro. O presidente da entidade, Plínio Dias, afirmou que a definição da pauta é importante para colocar na mesa e ser chamado para diálogo com os órgãos responsáveis. ?Até agora não fomos recebidos pelo governo, por isso a paralisação?, explicou ele aos demais motoristas.

Na região, a categoria está dividida entre aqueles que apoiam o movimento e aqueles que preferem não participar da greve. A informação é do presidente do SINDITAC- Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga, Litti Dahmer. Segundo ele, o Sindicato abrange 150 municípios, num total de 18 mil caminhoneiros na base.
?Os profissionais estão divididos e não há como saber quantos vão aderir a paralisação, somente vamos descobrir o tamanho da mobilização na região de Ijuí na data prevista? comenta Litti, que afirma que vai participar do movimento. ?Eu sei que vou estar com meu caminhão, no dia primeiro, no trevo do 44, mas quanto aos demais eu não posso afirmar? conclui Dahmer.

Fonte: Rádio Progresso de Ijuí/ Sabrina Bertollo