Segundo dados do Sistema de Proteção ao Crédito (SPC), o indicador aponta uma pequena queda, com cerca de 1,03%, no total de devedores, na comparação com março deste ano. Embora não seja expressiva, a redução dos negativados na Região Sul mostra que as pessoas estão buscando sanar suas pendências financeiras, o que é saudado pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul - FCDL-RS.

- A queda pode ser atribuída, em boa parte, ao uso dos recursos obtidos com o saque das contas inativas de FGTS. Pesquisa do SPC Brasil mostra que 36% dos trabalhadores que já realizaram saques utilizaram o dinheiro para pagar dívidas atrasadas - lembra o presidente da entidade que representa o comércio no RS, Vitor Augusto Koch.

Em maio, junho e julho é possível que o número de inadimplentes siga caindo, uma vez que os saques das contas inativas do FGTS seguem até o sétimo mês do ano. Além disso, a população continua cautelosa em relação ao consumo, se endividando menos.

Outro aspecto importante é que o número de dívidas em atraso na região também recuou em abril de 2017. A queda foi de 12,46%, maior retração desde o início da série histórica. O indicador, que chegou a crescer 7,84% em setembro de 2015, seguiu mostrando desaceleração desde então. Quando se trata da passagem de março para abril, houve queda da quantidade de débitos, na ordem de 3,92%. No Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná a média é de 2,187 dívidas por pessoa.

Em termos de participação nas dívidas, os bancos seguem liderando na Região Sul, com 48,34% das pendências, vindo a seguir o comércio, com 22,55% do total. Este, aliás, foi o segmento que mais teve débitos quitados, com redução de 3,65 pontos percentuais na comparação entre março e abril deste ano. Ao todo na Região Sul, 8,29 milhões de pessoas físicas estão negativadas. O número representa 37,16% da população com idade entre 18 e 95 anos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.
 

Fonte: PlayPress Assessoria de conteúdo