Caminhos do Rincão apresenta reportagens multimídia sobre os desafios, dificuldades e necessidade de valorização do meio rural.

No Noroeste do Rio Grande do Sul, região produtora de leite e grãos como soja, trigo e milho, um projeto do curso de Jornalismo da Unijuí busca dar visibilidade às atividades e à vida rural.

“A ideia de abordar as questões do universo rural partiu dos próprios estudantes, muitos deles filhos de agricultores e agricultoras, que conhecem muito bem as dificuldades enfrentadas no meio rural, para garantir a produção de alimentos para o campo e a cidade. Eles queriam dar visibilidade às questões rurais para valorizar este trabalho, muitas vezes pouco conhecido por quem vive nos cenários mais urbanos”, relata a professora Lara Nasi, que orienta a produção junto com a professora Vera Raddatz.

Assim nasceu o projeto Caminhos do Rincão, que conta com um site (https://pmunijui2017.wixsite.com/caminhosdorincao), uma página no Facebook  (https://www.facebook.com/CaminhosdoRincao) e com a publicação de reportagens no jornal Correio Rural, cuja parceria permite que o conteúdo chegue aos moradores do meio rural.

“São muitos caminhos que levaram famílias a deixaram o campo em nosso passado recente, com o êxodo rural. Queremos reencontrar os caminhos que nos levam ao campo, ao que se produz hoje e como se produz, aos modos de viver”, explica Lara. O projeto é resultado da ênfase em multimídia do curso de Jornalismo da universidade. Em disciplinas de foto, texto, vídeo e produção multimídia, os estudantes trabalham para um projeto comum, com reportagens em profundidade e notícias com atualidades sobre a temática. Alunos do curso de Publicidade e Propaganda também participam do projeto, com a produção da identidade visual, trabalho em vídeo, website, mídias digitais e planejamento.

“O jornalismo contribui para a construção de sentidos sobre o mundo que nos cerca e a produção das reportagens pela turma tem despertado muitos aspectos relacionados às potencialidades econômicas e culturais que constituem o quotidiano das pequenas propriedades da região. As matérias tratam de modos de ser e viver, do amor pela terra e pelos animais, mas principalmente revelam a esperança de cada um de fazer brotar a semente sem precisar ir muito longe. Com isso, aprendemos que somados os esforços de cada cidadão e trabalhador rural com o seu trabalho diário e contínuo que a força da agricultura familiar traduz um pouco da identidade de todos nós”, salienta Vera Raddatz.

Fonte: UNIJUI