Através do Clube da Gestante, a Unimed Noroeste/RS busca orientar
futuros pais para a chegada do bebê, diminuindo medos e mitos e também de
reduzindo a ansiedade. Mesmo assim, as dúvidas e angústias das futuras
mamães sobre a forma de nascimento permanecem durante toda a gestação.
Os esclarecimentos sobre o assunto aos casais foram feitos nesta quinta-feira,
30, pela obstetra Sheila Carvalho, no 4º encontro da atual edição.
A médica reforçou a importância de observar o método adequado para
cada gestação e que a decisão precisa ser tomada conforme o necessário.
Tudo isso feito com o acompanhamento do obstetra. Sheila enfatizou muito a
importância do parto humanizado, indiferente se for normal ou cesárea, “não
é o jeito que a criança vai nascer, mas a forma”. O parto humanizado
caracteriza-se por práticas e procedimentos que buscam readequar o processo
de parto, para que ele não seja visto apenas como um procedimento médico,
mas contemple tanto a mulher quanto o bebê em uma visão mais humana,
acolhedora e sentimental.
Pensando no bem estar do recém-nascido, a Unimed evidencia muito a
importância do contato pele a pele. “As primeiras horas de vida de um bebê
precisam ser com a mãe. Nenês que estão com ela tendem a mamar mais
tempo. Além do aconchego do colo a criança fica muito mais calma do que
deitada em um berço frio. Se ele tiver bem, deve estar com a mãe”, reforçou
a obstetra.
Para aquelas que necessitarem do método cirúrgico, a anestesia gera
incertezas. Por isso, as enfermeiras Michelle Schuster e Vânia Friedrich, que
atuam no Centro Cirúrgico, explicaram sobre os tipos de anestesia e analgesia
de parto. Orientaram como ocorre o procedimento, que tem como objetivo
bloquear a dor. Segundo as enfermeiras, “a escolha da técnica mais
adequada, seja ela raquianestesia, anestesia geral ou analgesia, depende da

indicação para cada paciente”. Também foram abordados Cuidados pós-
operatórios, tanto de parto normal como de cesárea.

Fonte: UNIMED