Humanizar o parto é um conjunto de práticas e procedimentos que promovem o parto (seja natural ou cirúrgico) e o nascimento saudáveis, pois respeita o processo natural e evita ações desnecessárias ou que colocam em risco a vida da mãe e do bebê. Este foi um dos temas abordados no terceiro encontro do Clube da Gestante da Unimed Noroeste/RS. Os esclarecimentos sobre o assunto aos casais foram feitos nesta quarta-feira, 21, pela ginecologista e obstetra Sheila Carvalho.

A médica ressaltou que a decisão de qual tipo de parto a mãe terá precisa ser tomada conforme a necessidade dela e do bebê, sempre levando em consideração que deve ser de forma humana, acolhedora e sentimental. Por isso a importância do acompanhamento de um obstetra. Sheila reforçou ainda os sinais de que a mulher está em trabalho de parto, além de práticas úteis e que devem ser estimuladas nesse período.

Pensando no bem-estar do recém-nascido, a Unimed destaca a importância de um contato pele a pele. “As primeiras horas de vida devem ser com a mãe. Os bebês que estão com elas tendem a mamar mais tempo. Além do aconchego, a criança fica mais calma e tranquila se comparado a um berço frio. Estando bem a criança precisa estar com a mamãe”, reafirmou a médi

ca.

Na noite foi abordado também o tema da nutrição na gestação pelo nutricionista Vitor Buss, que atua no Departamento de Medicina Preventiva da Unimed Noroeste/RS. “Uma alimentação adequada é indispensável tanto no pré-natal como para obter uma gestação bem-sucedida”, afirmou o profissional. Ressaltou que o estado nutricional da gestante e da criança nos primeiros anos de vida são fatores que influenciam significativamente a saúde de uma pessoa durante toda a vida.

Vitor destacou ainda as necessidades nutricionais na gestação. “A mulher grávida não exige quantidade, mas sim qualidade na sua alimentação, principalmente em relação à proteína”. Ele conclui explicando as necessidades nutricionais do bebê na lactação e salientando que “o leite materno hidrata e alimenta”.

Fonte: UNIMED