O melhor tipo de parto é aquele que garante as melhores condições para a mãe e o bebê. O Parto Humanizado foi um dos temas abordados no terceiro encontro do 33º Clube da Gestante, promovido pela Unimed Noroeste/RS. As dúvidas e os esclarecimentos foram respondidos pela ginecologista e obstetra Sheila Krüger Carvalho, nesta quarta-feira, 18.

A médica destaca que a decisão pelo tipo de parto mais adequado precisa ser tomada conforme a necessidade da gestante e do bebê, sempre levando em consideração que deve ser de forma humana, acolhedora e sentimental. “Humanizar o parto é considerada a condição mais confortável para o casal. Torna o nascimento um momento mais especial e cheio de emoções”, afirma. Sheila também esclareceu dúvidas sobre o período premonitório, a fase latente e ativa, a fase de dilatação e os tipos de parto. Além disso, apresentou para os papais as novas recomendações da Organização Mundial da Saúde para uma experiência positiva de parto.

O contato pele a pele também favorece o bem-estar do recém-nascido. “As primeiras horas de vida devem ser no peito da mãe. Os bebês que estão com elas tendem a mamar mais tempo, diminuindo ainda as chances de hipotermia. Além do aconchego, a criança fica mais calma e tranquila se comparado a um berço frio. É importante que, a criança estando, fique no aconchego do colo da mãe”, afirma Sheila Carvalho.

Fisioterapia Obstétrica - A fisioterapia exerce papel importante em cada fase da gestação, visando a pro

moção da saúde e o bem-estar da mulher, destacaram as profissionais do Serviço de Fisioterapia do Hospital Unimed Noroeste/RS, Sara Palharini e Fabiane Adams. Salientaram ainda as alterações que ocorrem no corpo ao longo da gestação e suas consequências. Orientaram técnicas de relaxamento e alongamentos que proporcionam mais conforto às gestantes, além de atividades físicas que podem ser realizadas no período (com

recomendação médica). Já para os recém-nascidos, as fisioterapeutas apresentaram aos futuros pais técnicas para o banho de ofurô.

Fonte: UNIMED