A amamentação é um momento único tanto para a mãe quanto para o
bebê. A Unimed Noroeste/RS tem como um de seus objetivos incentivar o
aleitamento materno, momento este que proporciona uma série de
benefícios. Neste sentido, realizou atividades alusivas à Semana Mundial da
Amamentação. Na segunda-feira, 6, aconteceu uma roda de conversa sobre “A
hora de ouro”, com as médicas Sheila Carvalho e Vera Paris.
As médicas destacam que a amamentação é uma das medidas de saúde
mais eficazes. Diminui o risco de morte dos bebês, incidência de doenças
crônicas como diabetes e hipertensão, melhora a imunidade, o QI em idade
escolar, a frequência e rendimento escolar, além dos benefícios para a mãe,
como redução do risco de câncer de mama. “O início da vida é muito
importante para o bebê e irá refletir em todos os aspectos de sua saúde no
futuro. Neste sentido, a primeira hora é ainda mais importante, a chamada
hora de ouro. Um momento em que a mãe e o bebê criam um vínculo que
favorece a amamentação”, reforça Vera.
Sheila destaca que está se trabalhando em medidas simples, que
incluem uma atenção humanizada ao nascimento, seja ele parto normal ou
cesárea, com contato pele a pele do bebê com a mãe e a amamentação. Além
disso, evidencia que o apoio e orientação nas primeiras horas de vida são
fundamentais quando o bebê e a mãe estão no hospital, desde a questão
emocional até orientações de como mamar e cuidado com as mamas. “Desta
forma, buscamos que todas as gestantes/puérperas atendidas no Hospital
Unimed tenham atenção humanizado e todo o apoio necessário nesse
momento”, afirma.
Outra conversa sobre o assunto foi proporcionada pela enfermeira
Arlete Regina Roman, do curso de Enfermagem da Unijuí, na terça-feira à
noite. Definiu como “convocatório” para os profissionais assistenciais o tema

deste ano da programação, por colocar a amamentação como alicerce para a
vida. A enfermeira destacou que o estímulo ao aleitamento materno
representa uma mudança ainda recente no contexto dos serviços de saúde,
exigindo permanente sensibilização das equipes. “Este é um caminho sem
volta”, reforçou ela, acenando para uma média brasileira de aleitamento
ainda muito baixa, de apenas 54 dias de amamentação exclusiva.
Semana Mundial da Amamentação – Neste ano ocorre entre os dias 1º
e 8 de agosto, com o slogan Amamentação – alicerce da vida. A Organização
Mundial da Saúde (OMS) orienta que, até os seis meses de vida, a criança seja
alimentada exclusivamente com leite materno. Após, deve haver a introdução
de outros alimentos, mas o aleitamento materno ainda é indicado até os dois
anos de vida. Além de reduzir em 13% a mortalidade por causas evitáveis em
crianças menores de cinco anos, a amamentação materna também reduz
casos de diarreia, infecções respiratórias, hipertensão, colesterol alto,
diabetes e obesidade.

Fonte: UNIMED