Eram 14h17 do dia 14 de junho quando Valentina veio ao mundo. Em
seguida chegou Sofia e depois Benjamin, com apenas um minuto de diferença
entre eles. Os irmãos marcam a história do Hospital Unimed, como o primeiro
parto de trigêmeos realizado em 13 anos de funcionamento do serviço. Tão
pequenos e delicados, mas fortes o suficiente para já estarem fora dos
cuidados intensivos. “Três milagresinhos que Deus me deu”, define
emocionada a mãe, Silvia Regina Corrêa, que deu a luz com 32 semanas de
gestação.
Prematuros e com peso entre 1.590Kg e 2.070Kg, os três foram
encaminhados à Unidade de Terapia Intensiva (UTI Neonatal) imediatamente
após o parto. Ainda no início da gravidez, Silvia teve conhecimento desta
possível necessidade e que deveria estar preparada, mas revela que, na
prática, o fato gera um pouco de angústia. “Desde o primeiro momento fui
muito bem amparada. Sabia que estavam bem cuidados”, reforça a mãe sobre
o atendimento que recebeu no Hospital Unimed.
A turma conquistou o carinho de toda a equipe. “Estávamos
organizados para receber os três bebês ao mesmo tempo”, explica a
enfermeira Daiane Zambon Dockhorn, coordenadora da área, apontando
também para a agilidade da equipe. “Temos condições de dar esse suporte,
pois estamos preparados para esse tipo de atendimento”, reforça. O
coordenador-médico da UTI Neonatal, Maurício Bortolini, aponta a preparação
antecipada do setor para casos como este, fator que garante segurança para o
paciente, para o médico e para toda a equipe, “com atendimento de melhor
qualidade e completo para os nenês desde o primeiro momento”.
Assim como em casa os berços, as fraldas e as roupinhas foram
triplicados, a equipe do Hospital foi reforçada para essa recepção tripla e
simultânea de recém-nascidos, tanto no momento do parto, quanto para a
acolhida na UTI. “É imprescindível que haja uma Unidade de Terapia Intensiva

Neonatal para obtermos sucesso no atendimento neonatal em geral.
Especificamente no caso dos trigêmeos prematuros, Valentina, Sofia e
Benjamin, foi preciso uma equipe de médicos obstetras e pediatras,
berçaristas e enfermeiros capacitados para atendimento em sala de parto,
atuando na recepção, estabilização e transferência segura dos recém-nascidos
à UTI”, descreve o pediatra Alan Krüger Penno. A importância do papel e do
afeto familiar também foi apontado. “O sucesso do tratamento dos pacientes
está diretamente relacionado à dedicação e ao carinho da família,
principalmente dos pais, que sempre estiveram presentes e não dispensaram
esforços no auxílio à equipe”, conclui Alan, que é médico assistente dos
trigêmeos.
A mãe, de 31 anos, destaca o apoio que recebeu da equipe da UTI
Neonatal, inclusive no aspecto emocional e da importância de não passar
sentimento de aflição aos bebês. “Diziam que tudo ia passar, que era uma
fase”, contou. E passou! Benjamin, teve uma recuperação mais rápida e teve
alta da Unidade de Terapia Intensiva 16 dias depois. E já no dia 7 julho pode
ir para casa com os pais. Sofia e Valentina permaneceram por mais tempo,
trocando a UTI pela Unidade de Internação nesta terça-feira, 7 de agosto.
Sílvia e o esposo, Jorge Ricardo da Costa Rodrigues, de 33 anos, que residem
em Panambi, aguardam ansiosos a chegada de toda a família em casa. “Não
tem bem material que pague”, ilustra a mãe de “primeira viajem”. Do mesmo
modo, o casal sente-se gratificado pelo apoio oferecido pela empresa em que
atuam, como técnica de Enfermagem e soldador, e dos familiares desde a
gestação, especialmente em períodos de apreensão. “Também passamos por
momentos difíceis”, reconhece Silvia, que é cliente Unimed através da
Bruning Tecnometal.
A avó materna Ivone Corrêa relata a emoção de receber três netos de
uma só vez. “Nunca esperava isso na minha vida. Quando me contaram que
eram três, não pude acreditar. Ficamos muito felizes e estamos ansiosos para
recebê-los em casa”, revela sem conter as lagrimas de alegria, planejando

curtir cada momento com trio e a festa de primeiro aninho. “Vai ser só
alegria”, finaliza a avó que já tem outros três netos.
Nesta quinta-feira, 9, o time já está preparado para ir para casa.
Vestidos com roupinhas do “time do coração” dos pais, o Grêmio, presentes
dos “dindos”, aguardam somente um “apito final” para deixar o Hospital.
Afinal, todos estão na torcida e aplaudem em pé a luta destes pequenos
guerreiros, que souberam jogar o jogo da vida e encontrar na saúde a taça da
vitória.

Fonte: UNIMED