No dia 07 de agosto estiveram na Ceriluz dois representantes da Cooperativa de Energia
Elétrica Salto Donner - Cersad, de Doutor Pedrinho, Santa Catarina. Realizaram a visita o
presidente da cooperativa, Cláudio André Roeder, e o contador, Wesley Tonolli. A iniciativa fez
parte de um roteiro da dupla no estado do Rio Grande do Sul, que incluiu ainda as
cooperativas Certel, de Teutônia, Creral, de Erechim, Coprel, de Ibirubá, e também a
concessionária Hidropan, de Panambi. Ambos são alunos do curso de MBA Executivo em
Administração – Setor Elétrico, promovido pela Fundação Getúlio Vargas – FGV, em Lages, SC,
nos últimos dois anos. Além de visitar colegas do curso nessas distribuidoras de energia, o
objetivo, conforme o presidente Cláudio André Roeder, foi conhecer as diferentes experiências
destas empresas nas áreas de geração e distribuição de energia.
Um dos principais pontos diz respeito à regulamentação da Cersad como Permissionária de
Serviço Público, uma vez que as cooperativas visitadas já estão regulamentadas, enquanto que
a cooperativa de Santa Catarina deve assinar no próximo mês o seu contrato junto à Agência
Nacional de Energia Elétrica – Aneel. “Hoje não estamos no ambiente regulado, devemos
assinar o contrato em setembro e estamos buscando ver o que estas cooperativas que já são
reguladas estão fazendo, como elas se anteciparam para essa regulamentação [...] e tentar
aplicar alguma coisa na nossa cooperativa assim que ela for regulamentada”, comentou
Roeder. Ambos estiveram reunidos com diretores da Ceriluz, incluindo o presidente Iloir de
Pauli, que responderam dúvidas sobre o tema, repassando informações que servirão de
subsídios para os próximos passos da cooperativa catarinense.
Apesar de ser mais antiga que a Ceriluz – está com 59 anos - a Cersad é uma organização de
pequeno porte, com pouco mais de 1,2 mil unidades consumidoras e duas usinas em
operação, com capacidade instalada de 5 Megawatts (MW). No roteiro da visita à Ceriluz
esteve incluída visita ao canteiro de obras de Pequena Central Hidrelétrica Sede II – Centenária
e da estrutura da PCH RS-155.

Fonte: CERILUZ