Ijuí receberá neste ano uma ação diferente de intervenção urbana, que será protagonizada por estudantes da Unijuí e da Universidade Nacional de Córdoba (UNC), Argentina, numa parceria inédita para o Estado. Trata-se de um exercício acadêmico em que estudantes dos cursos de Arquitetura, Design, Engenharias, entre outros, de ambas as instituições, são desafiados a construir, de forma colaborativa, dispositivos urbanos em madeira, os quais serão distribuídos pela cidade. Inicialmente, a Avenida Pinheiro Machado será um dos palcos privilegiados para a realização do projeto.

A proposta foi apresentada, na tarde desta quinta-feira, pela Unijuí ao prefeito Valdir Heck. Além do chefe do executivo, estiveram presentes na reunião o Vice-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unijuí, Fernando Jaime González, o Presidente da União das Etnias (UETI), Nelson Casarin, o Secretário Municipal de Cultura, Esporte e Turismo, Sérgio Correa, o Chefe do Departamento de Ciências Exatas e Engenharias da Unijuí (DCEEng), Maurício Campos, e os professores dos cursos de Arquitetura e Engenharia Civil, Igor Norbert Soares e Tarcísio Dorn, além de Francisco Roloff, também representando a UETI.

Com o objetivo de pensar a cidade de Ijuí, em diálogo com o movimento étnico, e trazer um pouco da Expoijuí/Fenadi para dentro do espaço urbano, o projeto será desenvolvido em setembro próximo, dias prévios à realização da Feira. Os estudantes das duas Universidades vão estudar o espaço urbano de Ijuí no primeiro semestre para projetar e posteriormente fabricar instalações em madeira. Essas peças serão expostas nas ruas de Ijuí e estarão disponíveis para interação com a comunidade. Como parte da proposta, será realizado um projeto de iluminação para a Avenida Pinheiro Machado.

Segundo o Vice-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unijuí, Fernando Jaime González, o projeto trata-se de uma inovação para Ijuí. “Inicialmente, a proposta foi pensada como uma das ações de internacionalização que a universidade realiza com vistas a enriquecer as experiências formativas de nossos estudantes. Contudo, a partir do know-how dos colegas da UNC, das discussões com o Comitê Pró-Reconhecimento de Ijuí Capital das Etnias, o apoio da UETI e as boas ideias dos professores da Unijuí, percebemos que a iniciativa poderia tomar outra dimensão, bem maior que o de um exercício acadêmico, e se converter num acontecimento com impacto perene na cidade. Nesse sentido, as reuniões que se sucederam passaram a envolver também a ACI e a Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo, das quais surgiram novas ideias que enriqueceram ainda mais a proposta. Dessa forma, o apoio que o prefeito manifestou hoje ao projeto é fundamental e é o pontapé inicial para desencadear o conjunto de ações que as instituições parceiras (Unijuí, UNC, Poder Executivo Municipal, UETI, ACI) deverão realizar nos próximos meses, para a proposta ter todo o impacto projetado”.

Na reunião, as entidades e o poder público trataram, ainda, de alguns detalhes da execução da iniciativa, que agora serão aprimorados. “Esta proposta que nos foi apresentada está de acordo com o que almejamos para Ijuí. No que depender do município, criaremos todas as condições possíveis para que ele seja viabilizado”, salienta o prefeito de Ijuí, Valdir Heck.

O Projeto na Argentina

O Projeto, coordenado pelo professor da UNC, Jonny Gallardo, já é realizado em Córdoba, na Argentina, há algumas edições, com sucesso. Na última, realizada em 2018, ocorreu durante a Bienal do Design, organizada pela Cámara de la Madera, Mueble y Equipamiento de Córdoba, ADEC, La Facultad de Arquitectura Urbanismo y Diseño de la UNC y la Municipalidad de Córdoba. A ação teve, inclusive, cobertura da mídia nacional do país vizinho. Confira a matéria  do Jornal O Clarín, um dos principais da Argentina.

Fonte: Prefeitura de Ijui