Apesar da situação difícil enfrentada pelos municípios vizinhos quanto ao alto índice de infestação do mosquito Aedes Aegytpi, transmissor do vírus da dengue, Zica e Chikungunya, em Ijuí não há nenhum caso registrado.

De acordo com o médico veterinário da Vigilância Ambiental de Ijuí, Ortiz Junior, esse cenário favorável é devido ao permanente trabalho de vigilância realizado em Ijuí pela Coordenadoria, sob a orientação da Secretaria Municipal de Saúde e do Poder Executivo como um todo. Segundo ele, diariamente cerca de 35 agentes da Vigilância Ambiental saem a campo orientar e fiscalizar imóveis residenciais, comerciais e terrenos baldios.

Mas, para que o município continue mantendo o baixo índice de infestação, segundo Ortiz Júnior, é necessário uma mudança de comportamento em muitos cidadãos, já que em muitos locais são encontrados pequenos depósitos de lixo como garrafas PET, plásticos, latas, calhas e etc, os quais são deixados a céu abertos em pátios de residências e lojas, acumulando água da chuva e potencializando a criação de larvas.

Outro fator que contribui positivamente para o baixo índice de infestação do mosquito transmissor da dengue em Ijuí é resultado de um convênio mantido pelo município com a Agência Nacional da Indústria de Pneu (Anip).  Cerca de 4 mil pneus são descartados por mês somente em Ijuí. O depósito pode ser feito todas as quartas-feiras no Ecoponto, localizado próximo ao Aeroporto de Ijuí, no antigo prédio da Seasa.

Outro problema que o município enfrenta, segundo Ortiz, é o surgimento de escorpião, principalmente em locais próximos a linha férrea. Segundo dele, onde existe muitas baratas a probabilidade de aparecer escorpião é grande, já que elas servem de alimentos para os mesmos. Por esse motivo a Vigilância Ambiental está realizando um trabalho de prevenção e monitoramento, para que a situação seja resolvida, a fim de evitar a proliferação.

Fonte: Fonte: Rádio Progresso de Ijuí