Rádio Mundial

Notícia

Manual de sobrevivência para o carnaval: veja os cuidados para evitar a ressaca, a desidratação e a dengue
carnaval-2-e1676857663243

Você é daqueles que aproveita o carnaval do começo ao fim e já acorda com o glitter no rosto, pronto para o próximo bloco? Ou prefere ir com calma, uma cerveja por vez, sempre acompanhada de uma água gelada?

O carnaval é para a gente se jogar mesmo. Mas, para ser só alegria, especialistas fazem algumas recomendações para evitar problemas como desidratação, insolação, dengue, ressaca e, por que não, sapinho? Confira o manual de sobrevivência para o carnaval.

1. Insolação: Em um tempo de exposição considerado curto, de até três horas, quando há hidratação constante, os riscos são relativamente pequenos. Mas, nos blocos de carnaval, onde a exposição ao sol costuma ser constante, por muitas horas e, geralmente, no horário de pico do sol, os riscos à saúde aumentam.

Além de poder provocar queimaduras na pele, a insolação tem sintomas como:

– Tontura;
– Mal-estar;
– Vertigem;
– Fadiga;
– Dor de cabeça;
– Dificuldade de concentração;
– Desmaio.

A insolação pode ser combinada também com um quadro de desidratação. Os especialistas indicam que as principais medidas para evitar a insolação são:

– Se hidratar constantemente, seja com água, sucos ou isotônico. A ingestão de líquidos evita a desidratação e minimiza os efeitos de uma possível isolação;
– Usar roupas leves, que não apertem o corpo;
– Utilizar chapéu ou boné. Proteger a cabeça é essencial para evitar o superaquecimento do corpo, além de evitar queimaduras no couro cabeludo e bloquear parcialmente a radiação solar;
– Passar protetor solar. É importante aplicar antes de sair de casa e, idealmente, levar para que, ao longo do dia, possa ser reaplicado em um intervalo de aproximadamente três horas;
– Nos momentos mais quentes do dia ao longo do carnaval, tentar permanecer na sombra, ou em locais menos abertos.

2. Desidratação: Assim como a insolação, a desidratação é outro problema causado pela exposição constante ao sol e ao calor. Ela pode estar associada a um quadro de insolação, tendo sintomas bastante semelhantes aos listados acima. A perda da coordenação motora também é algo comum em quem começa a desidratar.

Entres as principais dicas para prevenir a desidratação no carnaval estão:

– Ingerir líquidos constantemente, que podem ser água, sucos ou isotônico.
– Utilizar chapéu ou boné. Proteger a cabeça é essencial para evitar o superaquecimento do corpo e, consequentemente, quadros de desidratação;
– Nos momentos mais quentes do dia ao longo do carnaval, tentar permanecer na sombra, ou em locais menos abertos.

3. Ressaca: Além de prejudicar a coordenação motora e contribuir para a desidratação, a bebida em excesso pode causar uma velha conhecida de celebrações como o carnaval: a ressaca. Sendo o resultado da intoxicação pelo álcool, a ressaca tem como principais características:

– Dor de cabeça;
– Mal-estar;
– Gosto ruim na boca;
– Sede excessiva;
– Enjoo;
– Cansaço.

Exagerar na bebida durante a folia pode gerar não só um dia seguinte com uma sensação bem desagradável como agravar os já citados sintomas da insolação e da desidratação.

Os especialistas reforçam que a melhor dica para não ficar de ressaca é meio óbvia: não beber ou beber moderadamente. Mas, se não for esse o caso, eles recomendam:

– evitar beber de estômago vazio. Ingerir álcool em jejum acelera a absorção da bebida, contribuindo para ficar de ressaca mesmo com quantidades menores de álcool ingerido;
– se hidratar durante o consumo de álcool.

4. Infecções sexualmente transmissíveis: Para quem cai na folia querendo aproveitar um ou mais beijos, as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) podem ser um problema. De acordo com os especialistas, não há beijo totalmente seguro e muitas doenças podem ser transmitidas através da boca ou da saliva.

Entre as doenças mais comuns que são contraídas dessa forma estão a mononucleose, herpes labial, sapinho, sífilis e outras doenças infecciosas como gripe, catapora, sarampo, caxumba e covid.

Aqueles que querem curtir o carnaval com muito beijo não precisam desanimar! É possível evitar a maioria das doenças listadas com alguns cuidados simples:

– Tentar observar se a pessoa que você vai beijar tem algum dos sintomas visuais citados acima, como feridas na boca;
– Se vacinar contra doenças infecciosas com imunizantes já disponíveis para a população, entre elas, a vacina da gripe, catapora, sarampo, caxumba e covid-19.

5. Dengue: Pode parecer que dengue e carnaval são uma combinação bastante incomum. Mas, com a explosão no número de casos de dengue em 2024, a doença é um ponto de atenção também durante a folia.

A junção do calor e das chuvas características desse período do ano contribui para a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. E, nos blocos, com grande parte do corpo exposto ao longo do dia, há o risco de ser picado.

Assim como outras doenças transmitidas por mosquitos, a dengue pode ser evitada com algumas medidas simples como passar repelente antes de sair para os blocos.

Por Redação O Sul