Rádio Mundial

Notícia

Infectologistas e biólogos respondem qual o melhor tipo de repelente contra o mosquito da dengue
repelente

O Brasil vive uma alta de dengue. Segundo dados do Ministério da Saúde, foram 232.990 casos identificados no país nas quatro primeiras semanas epidemiológicas de 2024, período que foi até o último dia 27. O número é 252% superior ao mesmo do ano passado, quando foram registrados 65.366.

Projeção feita pelo Ministério da Saúde em parceria com InfoDengue, da Fiocruz, estima que o número de casos da doença neste ano varie entre 1,7 milhão e 5 milhões, com média de 3 milhões de infecções.

“Este ano, a dengue irá causar a pior epidemia de todos os tempos no Brasil”, alerta o infectologista Alexandre Naime Barbosa, professor da Unesp e coordenador científico da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

Nessa semana, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, reforçou a preocupação da chegada do Carnaval e volta às aulas em meio à escalada de casos da infecção no país. A comandante da pasta da Saúde também anunciou um centro de operações de emergência para coordenar as ações de combate à doença entre estados, municípios e ministérios.

Se as formas de prevenção coletivas da doença dependem do poder público, existem possibilidades de proteção individual. Entre as disponíveis atualmente, o uso de repelentes tópicos é considerada a mais eficaz.

Atualmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tem as substâncias ativas sintéticas registradas como eficazes no combate ao mosquito são: DEET (N-dimetil-meta-toluamida ou N,N-dietil-3-metilbenzamida), icaridina (Hydroxyethyl isobutyl piperidine carboxylate ou Picaridin) e IR3535 (Ethyl butylacetylaminopropionate ou EBAAP). Existem ainda produtos registrados contendo como substância ativa o extrato vegetal ou o óleo de citronela.

“Dentre os industriais, existem dois que têm eficácia comprovada, que são os base de DEET e de icaridina”, explica Luciana Costa, professora associada e diretora do Instituto de Microbiologia Paulo de Góes – UFRJ

Estudo realizado por pesquisadores da Unesp Botucatu concluiu que os repelentes que contém icaridina na concentração de 25% são aos mais eficazes. Diversas marcas comercializam produtos com essa especificação, basta ler o rótulo.

“Não significa que os outros não funcionem, mas funcionam por menos tempo e com menor efetividade”, diz Barbosa.

Por exemplo, a maioria dos repelentes à base de DEET tem cerca de quatro horas de efeito. Já os de icaridina 25% protegem por um período de 10 a 12 horas, a depender da marca. Mas também existem produtos à base de DEET com até 10 horas de proteção. Isso varia de acordo com a concentração do composto ativo.

“Quanto maior a concentração do composto ativo, maior a proteção”, afirma Costa.

Essas informações estão presentes no rótulo do produto. Independentemente da escolha, para que o repelente funcione, é preciso estar atento às indicações de utilização, também disponíveis no rótulo, reaplicando após o fim do período de efeito ou após suar.

“Os repelentes individuais tem que ser passados com muita frequência e é importante checar no rótulo se há proteção contra o Aedes”, orienta Mauro Teixeira, professor titular do Departamento de Bioquímica e Imunologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Outro ponto importante para ser verificado no rótulo é se o produto está aprovado pela Anvisa.

“Para os cosméticos, ou os repelentes de pele, o número do registro do produto, normalmente, aparece no rótulo como Reg. MS – X.XXXX.XXXX. O registro de cosméticos começa com o algarismo 2 e possui nove dígitos”, informa a agência.

Uso pediátrico

No que diz respeito ao uso de repelentes em crianças, é preciso estar atento, pois nem todas as composições são de uso pediátrico. Por exemplo, produtos à base IR3535 podem ser usados para crianças acima de 6 meses. Já aqueles com DEET, icaridina e óleo de citronela, são indicados para crianças acima de 2 anos, a depender da concentração. Produtos com DEET, por exemplo, só podem ser utilizados em crianças a partir dos 2 anos de idade, na concentração de até 10% do ativo. Por isso, orienta-se sempre ler o rótulo para saber se determinado produto é aprovado para crianças.

Repelentes caseiros

As redes sociais estão inundadas de receitas naturais milagrosas para tudo, incluindo para proteger contra a dengue. A bióloga Denise Valle, especialista em Aedes aegypti, e pesquisadora do Laboratório de Medicina Experimental e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) alerta para a ineficácia desses produtos.

“Para o repelente ser eficiente, ele tem que atender três condições: o princípio ativo tem que ser eficaz, tem que ter uma persistência no corpo e que estar num veículo que não vai agredir a sua pele. Muitos dos repelentes caseiros podem até ter algum princípio ativo que funciona, mas não há comprovação ou garantia de que ele não vai agredir a pele nem da duração do efeito.”

Por Redação O Sul

(Foto: Freepik