Rádio Mundial

Notícia

Ministério Público investiga possível dano estrutural em ponte que liga Torres e Passo de Torres
4912323_7daa3cb1c9009ab

As condições da ponte interestadual José Mário Soares Noronha, conhecida como “ponte de concreto”, que liga Torres, no RS, a Passo de Torres, em SC, estão sendo apuradas pelas promotorias de justiça de ambos estados. O Ministério Público de Torres e o Ministério Público de Santa Rosa do Sul, em Santa Catarina, que responde por Passo de Torres, estão verificando as condições da estrutura.

No caso do Ministério Público de Torres, um inquérito civil foi instaurado. A pedido do MP do município gaúcho, um engenheiro esteve no local no dia 31 de outubro de 2023. Um laudo foi produzido, apontando que a ponte não recebia manutenção adequada, e que apresentava avançada deterioração nos taludes. No entanto, o laudo não apontou necessidade de interdição da ponte sobre o Rio Mampituba.

O Ministério Publico de Torres chegou a acionar as prefeituras, que alegaram ter interesse em realizar uma audiência, para posterior assinatura de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), para determinar como e por quem será realizado cada reparo. A prefeitura da cidade gaúcha se manifestou por meio de nota (leia a nota na íntegra abaixo), afirmando que vem acompanhando o tema. A prefeitura catarinense informou que medidas preventivas iniciarão nos próximos dias, iniciando pela contenção do tráfego de veículos de carga.

Na última terça-feira (6), a promotoria gaúcha enviou um ofício ao Ministério Público de Santa Rosa do Sul para verificar como a instituição está procedendo em sua apuração. A promotoria de justiça catarinense informou à Rádio Gaúcha que realiza diligências para apurar possíveis problemas estruturais da ponte. 

A instituição informou também que neste procedimento, buscará verificar quem são os responsáveis pela manutenção da ponte e quais providências estão sendo adotadas. No entanto, o MP de Santa Rosa do Sul não confirmou se já chegou a realizar vistoria no local.

A ponte foi inaugurada em 13 de abril de 2007 e custou, à época, R$ 2,4 milhões. A estrutura tem 118m de extensão e 11m de largura, com capacidade para suportar até 10 toneladas de carga. O projeto foi feito em arco elevado para não restringir a navegação no Mampituba.

Ponte segue operando normalmente

Enquanto a apuração é realizada pelos dois órgãos, a ponte utilizada por veículos entre as duas cidades segue operando normalmente. A travessia de concreto é única ligação para pedestres e ciclistas entre Torres a Passo de Torres, desde que a ponte pênsil rompeu em fevereiro do ano passado, causando a morte do jovem Brian Grandi, de 20 anos.

Nota da prefeitura de Torres

“Devido a manifestada preocupação da sociedade com relação a ponte de concreto sobre o Rio Mampituba, a Prefeitura de Torres declara que após a manifestação sobre as condições técnicas da obra, a Prefeitura vem acompanhando o tema, juntamente com o Ministério Público. 

Também a Prefeitura de Torres abordou o tema com a Prefeitura de Passo de Torres, em 2022 através de ofício, com o requerimento de documentos pertinentes ao caso. O assunto ainda foi tema de reunião entre os prefeitos de Torres, Carlos Souza e o de Passo de Torres, Valmir Augusto Rodrigues. No encontro, questões pontuais foram abordadas. A preocupação maior é quanto ao acesso de caminhões sobre a ponte o que resulta em sobrecarga comprometedora. 

Cabe ressaltar que o responsável pelo projeto, licenças e execução da construção da ponte é a prefeitura do Passo de Torres, e na época da construção da mesma cabia a Prefeitura de Torres, a pavimentação da rota viária do lado gaúcho bem como a manutenção, o qual é feita até os dias atuais.”

Fonte: GZH